Parafilia X Transtorno Parafílico

       As parafilias, antigamente chamadas de perversões sexuais, são atitudes sexuais consideradas incomuns. A palavra vem do grego (para – “fora de”, e philia -“amor”) e simboliza um comportamento sexual em que a fonte de prazer não é o ato sexual em si, mas alguma outra atividade ou objeto de desejo.
Parece simples, mas quando precisamos diferenciar parafilia de transtorno parafílico, a coisa complica um pouco mais.

PARAFILIA

            Resumidamente, a parafilia é um interesse sexual intenso e persistente em qualquer coisa diferente da estimulação genital e carícias com parceiros humanos que consentem com o ato, são “normais” (fenotipicamente falando) e apresentam maturidade física e mental.

           parafilia-post-1 As parafilias podem envolver o tipo de atividade erótica do indivíduo, isso pode incluir interesse sexual em espancar (ou ser espancado), chicotear (ou ser chicoteado), cortar, amarrar e etc. Ou podem envolver também o tipo de alvo erótico, ou seja, a pessoa pode ter interesse sexual específico por crianças, cadáveres, animais, amputados (como classe), ou até mesmo objetivos inanimados como sapatos, couro, tecido de cetim e/ou outros.

            O fato de existirem algumas parafilias nocivas e com potencial dano a outros, faz com que sejam delitos criminais e esses casos, obviamente, não são saudáveis. Porém, isso e o fato de a parafilia antigamente ser conhecida como perversão sexual, faz com que haja um grande preconceito acerca do tema. Então é importante deixarmos claro que a parafilia, quando não traz dano a si ou a outro, pode ser inofensiva, fazendo parte da psique normal do homem. Prova disso é que o comportamento homossexual, o sexo oral, anal e a masturbação já foram considerados parafilias no passado e hoje, sabe-se, são comportamentos perfeitamente normais. Assim, a pessoa ter algum tipo de interesse diferenciado em sua atividade sexual não constitui necessariamente um problema.

Entretanto, quando a parafilia passa a ser um transtorno parafílico, existe um problema.

 

TRANSTORNO PARAFÍLICO

             O transtorno parafílico é quando uma parafilia passa a causar sofrimento e prejuízo ao indivíduo ou implica dano e risco a outras pessoas. Assim, a pessoa ter uma parafilia é condição necessária para que haja um diagnóstico de transtorno parafílico, mas APENAS ter a parafilia não é o suficiente para esse diagnóstico, pois uma parafilia por si só não requer intervenção clínica se não causa sofrimento.

            A parafilia, mesmo quando inofensiva, pode causar danos no próprio manifestante, queparafilia-post-2 passa a sentir-se mal com seu desejo, seja por vergonha, inadequação ou incapacidade de realizar sua fantasia. Assim, surgem sintomas de ansiedade, culpa, depressão, desempenho e satisfação profissional comprometidos e relações sociais perturbadas. Esses sintomas causam grande sofrimento ao acometido e merecem uma intervenção clínica adequada, pois como já dissemos, uma parafilia que é acompanhada de sofrimento é um transtorno parafílico.

            Além disso, é obvio que existem os danos e riscos a terceiros em parafilias de tipo alvo sexual. Nesses casos, mesmo que o praticante não esteja em sofrimento considera-se um transtorno parafílico, pois prejudica a vida do praticante e da vítima. Casos como esse devem ser acompanhados de perto e tratados com muita atenção.

 

REFERÊNCIAS:

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. DSM-V. Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais. Porto Alegre: ARTMED, 5a. ed, 2014.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario