Síndrome da vibração fantasma. O seu celular te engana?

Você já sentiu seu celular vibrando no bolso e quando o pegou não havia nenhuma notificação nova? Mas você tinha tanta certeza que estava vibrando, não é mesmo? A maioria de nós já vivenciou isso pelo menos uma vez na vida (se não várias). Esse é um fenômeno psicológico que vem sendo bastante estudado pelos psicólogos e leva o nome de Síndrome da Vibração Fantasma.

Deficientes visuais e pessoas com pouco tempo para leitura (e qualquer outra pessoa que quiser) podem ouvir o áudio do texto no player abaixo.

SOBRE O FENÔMENO

O fenômeno ocorre principalmente em usuários assíduos de tecnologia, portanto atinge principalmente os jovens. O início dos acontecimentos pode se dar após um mês com o aparelho, mas chega a demorar até um ano. Estudos feitos em 2010 com uma equipe médica (que são pessoas que precisam deixar o celular no modo silencioso com bastante frequência) indicam que até 76% dos entrevistados têm experiências com a síndrome da vibração fantasma. Os mesmos pesquisadores realizaram esse estudo em 2012 com pessoas mais jovens e ainda não graduadas. Entre esses, 89% dos entrevistados já tinham experimentado o fenômeno. O interessante é que em ambos os estudos a maioria das pessoas vivencia isso todas as semanas se não todos os dias e essa grande maioria diz que não se incomoda com a falsa sensação e nunca tentaram corrigi-la.

MAS POR QUÊ ISSO ACONTECE?

Algumas hipóteses foram criadas e estão sendo estudadas: Uma delas é a simples estratégia de dedução. Seu cérebro está acostumado a enviar a informação de que o celular vibrou e então qualquer objeto que se move na sua mochila ou qualquer coisa que encosta de leve em você já é interpretado como uma vibração. Outros estudos falam da ansiedade ou antecipação. Pessoas que estão esperando receber uma ligação ou mensagem que consideram importantes (de um emprego ou até mesmo de um paquera) acabam achando que o celular está vibrando com qualquer estímulo. Há ainda os que citam as características do usuário. Pessoas mais jovens se comunicam com os iguais predominantemente por meio de celulares e computador, assim, quanto mais popular o jovem e mais acostumado a receber chamadas e mensagens, mais ele vivenciará o fenômeno. Mas os que não são tão populares e se sentem infelizes com essa situação também podem sentir a falsa vibração com frequência, devido à importância que elas dão à troca de mensagens ou ligações com seus pares.

“AiMeuDeus! Eu tenho essa síndrome, como eu me curo?”

Vibração FantasmaCalma, fique tranquilo! É importante ressaltar que esse fenômeno não é grave e não deve preocupar ninguém, visto que não afeta a qualidade de vida em nenhum nível. Mas se isso te incomoda, há algumas maneiras de resolver o problema. Os estudiosos que se debruçaram sobre essa síndrome indicam que 39% das pessoas pesquisadas resolveram essa situação apenas tirando o modo de vibração de celular e usando-o apenas no silencioso ou modo sonoro. Há ainda outras maneiras possíveis, como trocar de aparelho celular ou criar o hábito de deixa-lo em outro local que não o de costume. Mas o importante agora é que você pode ficar tranquilo tendo a certeza de que não está ficando louco e que seu celular não está tentando te enganar.

REFERÊNCIAS

DROUIN; KAISER; MILLER. Mobile Phone Dependency: what’s all the buzz about? The Wiley Blackwell Handbook of Psychology, Technology and Society, p. 192-206, 2015.

DROUIN; KAISER; MILLER. Phantom vibrations among undergraduates: Prevalence and associated psychological characteristics. Computers in Human Behavior.  v. 28, p. 1490-1496, 2012.

ROTHBERG et. al., Phantom vibration syndrome among medical staff: a cross sectional survey. BMJ, 2010.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario