Síndrome de Peter Pan: a recusa de crescer

Um menino que vive na terra do nunca com seus amigos, onde suas obrigações se resumem apenas a brincar e aqueles que crescem ou envelhecem são expulsos desse lugar maravilhoso. Claramente estamos falando do Peter Pan, não é mesmo? Sim, dele e de muitos outros homens e mulheres que sofrem da síndrome que leva seu nome: A síndrome de Peter Pan!

Síndrome de Peter Pan

            Por mais que ainda não seja reconhecida pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), a Síndrome de Peter Pan é um termo na psicologia desde a década de 1980, quando o Dr. Dan Kiley lançou o livro The Peter Pan Syndrome: Men Who Never Grown Up (no português apenas com o título Síndrome de Peter Pan).

            Apesar de essa síndrome não afetar diretamente a saúde do individuo, é assim considerada por interferir e causar prejuízos no comportamento, nas relações interpessoais e na qualidade de vida do sujeito.

           sindrome-peter-pan-post-1 A síndrome é bem mais frequente em homens, mas pode ocorrer em mulheres também. O acometido, assim como Peter Pan, se recusa a crescer. São homens e mulheres que apresentam comportamentos de meninos e meninas, basicamente mesmo depois de pais continuam representando o papel de filhos. Esses comportamentos imaturos se apresentam em aspectos psicológicos, sociais e até sexuais. São comuns também sinais de comportamentos narcisistas, dependência financeira e emocional, irresponsabilidade e rebeldia. Esses sintomas são prejudiciais, pois criam uma grande dificuldade de encontrar um relacionamento amoroso estável ou dedicação ao trabalho. Os relacionamentos costumam dar certo quando indivíduos com essa síndrome se relacionam com pessoas com Complexo de Wendy, que é a pessoa que faz o papel de mãe em todos os seus relacionamentos, até os amorosos. Esse relacionamento costuma dar certo devido à conveniência de um representar o papel de criança e o outro de mãe.

            Em resumo, então, os acometidos são em sua maioria homens, com mais de 30 anos que são dependentes financeiramente, são irresponsáveis, tem baixa autoestima, são incapazes de cuidar ou proteger outra pessoa que não si mesmo e necessitam de grande atenção e cuidado de seus familiares. Mas isso não significa que todos que sofrem da síndrome tenham exatamente essas características.

            sindrome-peter-pan-post-2Um personagem fictício famoso que podemos ilustrar como acometido por essa síndrome é o Howard, de The Big Bang Theory. Sua personalidade é infantilizada, ele tem dificuldade em assumir seus erros, preferindo escondê-los e ele não é capaz de lidar com responsabilidades financeiras ou domiciliares, sendo essas atribuídas à Bernadette, que faz o papel de mãe do rapaz. Isso, inclusive, nos remete novamente ao Complexo de Wendy, mostrando como essas personalidades costumam se unir.

O QUE CAUSA ESSA SÍNDROME?

            As causas da Síndrome de Peter Pan são multifatoriais. Advêm de fatores culturais, sociais e até familiares. Mas existe, é claro, alguns fatores de risco. Como por exemplo uma educação extremamente permissiva por parte dos pais, faz com que a criança, ao virar adulto, ainda não tenha desenvolvido a noção de responsabilidade. Assim, a implementação de limites no processo de criação pode ser compreendido até como um fator de prevenção à essa síndrome. Outros fatores de criação que impedem que a criança se desenvolva de forma saudável são muito relevantes, já que nessa síndrome basicamente o acometido sofre de um bloqueio na maturidade emocional.

O QUE FAZER?sindrome-peter-pan-post-3

            Como já dissemos, de modo preventivo é importante uma criação que permita o desenvolvimento emocional da criança. Isso é, os pais não devem ser permissivos, negligentes ou super protetores, fazendo tudo pela criança e impedindo que ela mesma faça e se desenvolva.

            Quando a pessoa já sofre da síndrome, o ideal é buscar a psicoterapia, onde será trabalhado um processo de autoconhecimento que ajudará o indivíduo a passar da fase infantil para a adulta.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario