Tripofobia: O medo de buracos

Uma fobia que vem se tornando bastante conhecida é a Tripofobia. Ela ainda não é reconhecida pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, mas cada vez mais pessoas alegam sofrerem desse mal. Isso fez com que alguns estudiosos se debruçassem sobre esse fenômeno na tentativa de explica-lo. Hoje vamos explicar do que se trata essa fobia e qual e porque ela afeta tantas pessoas.

Notas: As imagens que vou usar para ilustrar esse post são apenas ilustrativas e não costumam causar mal-estar nas pessoas com Tripofobia. Caso as imagens aqui presentes causem qualquer tipo de mal-estar, por favor, me avise para que eu possa removê-la.

Caso queira ver imagens de Tripofobia, há um link ao final do post. O Psicologia para Curiosos não se responsabiliza pelos efeitos que as imagens possam causar a quem decida vê-las.

TRIPOFOBIA

           tripofobia-capa

Tripofobia vem do vocábulo grego. Tripo vem de trypo e significa perfurar ou fazer buracos. Fobia vem da palavra phóbos para medo. Assim, podemos entender que a Tripofobia é o medo de buracos ou furos.

            Essa fobia é uma das mais comuns que se tem conhecimento. A maioria das pessoas sente mal-estar, coceiras, tremedeiras, formigamentos e repulsa ao se deparar com imagens que tenham padrões irregulares de buracos. Em casos mais graves, há fortes náuseas, aceleração do ritmo cardíaco e pode até desencadear uma crise de pânico.

            As imagens mais aversivas costumam serem as que contêm agrupamentos de buracos em esponjas, sementes, favos de mel, flores, corais, madeira e principalmente na pele ou carne. Porém, algumas pessoas mais sensíveis têm esses sintomas com coisas bem mais comuns, por exemplo, uma barra de chocolate airado, como o Suflair.

POR QUE TANTAS PESSOAS SOFREM DISSO?

            Os estudiosos Geoff Cole e Arnold Wilkins da Universidade de Essex estudaram mais a fundo esse fenômeno com o intuito de compreendê-lo. O que eles encontraram em suas pesquisas foi que, na verdade, essa fobia é um instinto inato do ser humano. O medo na verdade é do perigo e não dos buracos em si.

            Acontece que as imagens se assemelham a algo que nossos ancestrais aprenderam datripofobia-post-2 pior forma. Numa época de poucos recursos, doenças graves causavam estragos como estes ou vermes penetravam no corpo da pessoa e geravam graves inflamações. Como isso podia ser passado de um para outro, foi aprendido que é algo perigoso, que se deve ter distância. Isso, como forma evolutiva, foi inserido em nossa cultura e hoje esse nosso medo já nasce conosco e faz com que nós tenhamos mal-estar e repulsa a essas imagens, como forma de nos proteger do perigo que representam.

 

Mas então todas as pessoas deveriam sofrer disso, certo?

            tripofobia-post-1Na verdade, não. No geral, muitas pessoas são capazes de reconhecer que não há perigo, pois se trata apenas de uma imagem que não pode afetá-lo. Mas os que têm a Tripofobia sofrem na verdade de um reflexo de proteção inconsciente que resulta em reações do corpo que não podem ser controladas.

Como o incômodo gerado pela Tripofobia é bastante comum, tomei a precaução de não colocar no post nenhuma imagem que pudesse causar incômodo aos meus leitores. Caso haja interesse de entrar em contato com as imagens que nos referimos, o leitor pode acessar o site www.trypophobia.com e clicar em “Trypophobia Pictures”, onde há uma lista bastante grande de imagens que são consideradas repulsivas para os que sofrem desse transtorno de ansiedade.

REFERÊNCIAS

G. G. COLE; A. J. WILKINS; Fear Of Holes, Psychological Science, v. 24, n.10, p. 1980-1985, 2013.

G. G. COLE; A. J. WILKINS; Assessment of trypophobia and an analysis of its visual precipitation, The Quarterly Jounal of Experimental Psychology, v. 68, n. 11, 2015.

Sobre a autora

Priscilla Figueiredo

Priscilla Figueiredo é Psicóloga de orientação Psicanalítica graduada pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas e atua na área da saúde como psicóloga clínica. Para disseminar seu conhecimento, criou o Psicologia Para Curiosos e escreve artigos regularmente aqui no site.

Deixe seu comentario